A tecnologia e os tempos difíceis

“SABE, porém, isto: que nos últimos dias sobrevirão tempos trabalhosos.”  (II Timóteo 3 : 1)

No versículo acima temos um alerta para o final dos tempos e nesses dias teremos pessoas extremamente frias. Entre as características desse cidadão global, segundo o Apóstolo Paulo, teremos pessoas soberbas, blasfemas, caluniadoras, cruéis, orgulhosas, desobedientes, sem afeto natural…Assistir essa transformação  mental nas pessoas é algo trabalhoso para quem vive no espírito, pois a cada dia o mundo parece uma loucura. A tecnologia, mais especificamente a evolução dos programas de mensagens, tem contribuído muito para essa fadiga.

Seja no lar, trabalho, nas festas, confraternizações ou qualquer lugar. Lá estão as pessoas conectadas no Whatsapp. Esse é o segundo estágio da evolução (o correto seria regressão). Já não se conversa olhando para alguém, se ousar falar algo enquanto uma pessoa tecla recebemos uma resposta carregada de má vontade. Basta qualquer situação não estar como uma determinada pessoa quer que ela vai para o Whats. O primeiro estágio aconteceu com o uso do MSN, Skype e outros, mas faltava mobilidade na época.

Mas existem aqueles que se beneficiam, por exemplo: Para a Ordem Mundial de Baha’u’llah esse tipo de programa promove a diversidade. Já o grande capital, mais especificamente as operadoras de celulares, aproveitam para roubar franquia da internet durante as atualizações, especialmente em um celular android que faz isso o tempo inteiro. A solução para muitos usuários foi contratar planos cada vez mais caros para ficar online por mais tempo. Tudo isso sem falar do mercado que abriu para o comércio.

Ou seja, tem um bem e um mal necessário. Um não pode ficar sem o outro, por isso andam juntos e evoluem  em uma rota de colisão com a humanidade. Mas voltando ao mal…a tecnologia contribui e muito para a sociedade do final dos tempos desligando os neurônios de muitas pessoas. O que sentimos além de ser algo da alma também está relacionado com o sistema nervoso, pois ele responde aos estímulos gerados.

Acredita-se que nascemos com 30% dos neurônios e durante a vida os outros 70% se desenvolvem, porém se ficarem sem estímulos são desativados. A tecnologia faz exatamente isso, tanto no corpo físico como na alma. Vejamos alguns exemplos:

No corpo físico:

Antigamente, antes da era digital, existiam máquinas de datilografia e a grande maiorias das pessoas faziam curso para aprender usar os 10 dedos. Com a chegada da era digital muitas pessoas digitam com dois ou até um dedo com uma velocidade assustadora. Dessa forma, os neurônios que enviam impulsos para os demais dedos foram desativados.

Em um estudo recente da Universidade Politécnica de Hong Kong descobriram que usuários de celulares que ficam mais de 5 horas em contato com o aparelho começam a sentir dormência e são mais propensos a desenvolver a Síndrome do Túnel do Carpo.

Na alma

As coisas acontecem de forma semelhante .Vamos falar apenas do afeto natural como exemplo. O afeto é uma inclinação que temos com o próximo para fazer amizade, simpatia ou afeição. Ele acontecia de forma espontânea antes da era digital quando conhecíamos alguém. É aquele sentimento que temos como conhecêssemos determinada pessoa muito tempo, mesmo sendo a primeira vez que vemos.

Ora, como isso vai acontecer em um ambiente que a cada dia se torna mais virtual. Não gostou de determinada pessoa? É só bloquear, sair do grupo, ficar fantasminha…Se alguém tem cinco amigos virtuais e um deles ficou chato é só não chamá-lo mais. Nem precisa excluir!

Tudo precisa ser fotografado, nem que seja uma foto ao lado do corpo em um velório para compartilhar. Imagine um corpo fresquinho morto/ degolado na rua e teve a chance de enviar um vídeo pelo whats ao programa do  Datena ou outras drogas similares. Sim! Eis aqui o cinco minutos de fama tão necessário…

Quando o sentimento ou desejo de uma pessoa satisfaz apenas a si mesma acaba recebendo o nome de egoísmo. É isso que essa mídia da segunda geração tem feito, criar um exército de egoístas em seu próprio mundo. Não podem ser criticados, contestados e nem pense em conversar em paralelo se não for através da mídia.

Cientificamente o que está acontecendo é a desativação dos neurônios que transmitem sentimentos nobres (amizade, honra, carinho, respeito, carinho, amor…). Estamos regredindo para o ser humano na sua versão mais animal que está no interior do cérebro.  Com certeza o leitor (a) já deve ter ouvido a famosa frase: Não deixe que a fera que habita dentro de ti saia, mas é isso que a tecnologia está fazendo. Solução…usar menos tecnologia e voltar para vida social, mas o futuro é inevitável.

Apenas para comentar sobre a terceira geração dos comunicadores:  Falta ser algo mais  invasivo que esteja no corpo constantemente.Os óculos do Google trilham esse caminho, mas a humanidade ainda não está preparada para conviver de forma harmônica com o virtual e o real. E nem os “crânios” da maior indústria de manipulação resolveram o problema da bateria.

Alguns cientistas chamam esse processo de evolução humana, o homus optimus. Segundo eles,  até 2050 os humanos serão andróides.  Bom..considerando o nome do sistema operacional para celular do Google, o nome é bem sugestivo e revela onde essa gigante das buscas querem chegar. Não temos como saber  o futuro, mas graças a DEUS  e com muita – mas muita alegria mesmo – estarei mais do que morto muito antes desse dia.

http://odia.ig.com.br/noticia/mundoeciencia/2014-06-07/tecnologia-aproxima-quem-esta-longe-e-afasta-quem-esta-perto.html

http://www.antena1.com.br/noticias/uso-intenso-de-celulares-pode-causar

https://www.youtube.com/watch?v=-Vy_sVBh6gc

Anúncios