As Arcas das Alianças

Vamos examinar três versões para a interpretação da Arca da aliança, pois ela é de fundamental importância para a implantação das novas ordens mundiais (Baháis e iluminista) que disputam o poder de unificação do mundo para que se cumpram as profecias de Apocalipse capítulo 13.

O ponto de vista Bíblico é muito objetivo,  prático e verdadeiro  A arca da aliança encontra-se no céu:

“E abriu-se no céu o templo de Deus, e a arca da sua aliança foi vista no seu templo; e houve relâmpagos, e vozes, e trovões, e terremotos e grande saraiva.”  (Apocalipse 11 : 19)

Baháis  acreditam que o  Apocalipse já se cumpriu no passado. Suas interpretações apontam para os ensinamentos de Abdu’l Bahá (filho de Baha’u’llah e interprete das escrituras Baháis)  que conseguiu a façanha absurda de encaixar as profecias Bíblicas com o mundo muçulmano, mais especificamente ao califado.

A Arca da Aliança para eles representa as alianças que “deus” fez com a humanidade através dos manifestantes divinos como: Moises, Krhisna, Buda, Maomé, Jesus, Báb e Baha-u-llah , sendo que Baha’u’llah é a última manifestação divina e esse trará o reino de “deus” para a Terra. Esse ensinamento é apresentado na revelação progressiva Bahá’i que nada mais é do que os sete chifres da cabeça da besta descrita no livro de Apocalipse (13:1).

https://estudosdafe.wordpress.com/category/04-a-revelacao-progressiva/

E por último vamos examinar a  Arca da Aliança na Etiópia:

Segundo a narração mítica da  igreja Ortodoxa da Etiópia, Menelik, filho de Salomão e da Rainha de Sabá, levou-a para a cidade Aksum, onde se encontra no interior de uma espécie de igreja, porém apenas o prometido poderá vê-la.

Como visto no vídeo apresentado, é praticamente impossível conseguir comprovar essa paternidade, embora Salomão tenha a fama de ser extremamente mulherengo . E como visto no início seria impossível que ele tivesse dado a Arca para alguém,  uma vez que ele está no céu segundo as escrituras. Se existe algo no interior da igreja de Aksum ou não, dificilmente saberemos, pois não é permitido chegar até o local; mas para os seguidores da igreja ortodoxa o mito prevalece.

O fato é que a Tumba de Bahá’u’llah possui espaço para colocar esse artefato mágico, o que nos leva para duas hipóteses que somente o tempo dirá. A primeira é levar a Arca até a tumba do cristo cósmico em Israel  para a sua retirada do abismo e a segunda  orações místicas ao redor dessa  igreja  na cidade de Aksum.

Esse fenômeno, me refiro a retirada de Baha’u’llah do abismo, parece estar presente nas principais igrejas visitadas que surgem no vídeo aqui apresentado. Cada uma com um fragmento que faz parte do todo: Em Harar temos a unificação do cristianismo com o islã através do mesmo incenso usado nas cerimônias.  Em Gondar temos o culto do mel  sagrado. O mel é muito usado em magia, mais especificamente na umbanda, para “adoçar” as almas amargas. Ora, o êxtase espiritual  que representa o falso batismo com o “espírito santo” nada mais é do que isso.

Em Lalibela temos o rompimento da ligação de Salomão e a Rainha de Sabá e nesse vídeo surge como uma igreja rival.  Entre os símbolos que essa igreja possúi vamos destacar a águia bicéfala , símbolo pagão da ordem mundial iluminista. Dessa forma, a igreja de Lalibela parece estar reservada para fazer orações não para o cristo cósmico, para o anticristo e seus nove mestres eleitos.

No mosteiro de Debre damo leva para o início do culto ao deus sol na Etiópia. Ora, esse culto nada mais é do que uma oferenda aos sete chifres da besta que representam os manifestantes solares (apenas para relembrar:  Cristo faz parte de uma das cabeças por ter o seu nome blasfemado e relacionado a um cristianismo pagão e falso).

E por último a igreja em Yeha, onde temos  a conclusão do sincretismo religioso na Etiópia através dos mais diversos símbolos do paganismo.  Uma verdadeira conexão cultural em torno da unidade da diversidade.

Dessa forma, vemos que existe uma forte ligação do bahaismo com a Etiópia através desse artefato. Seja na forma de culto dos manifestantes solares (JESUS e Maomé) ou na forma literal da Arca que está voltada para orações pagãs.