Do THC ao FHC

“K162. Se Ele decretar lícito o que desde tempos imemoriais fora proibido, e se proibir o que sempre se considerara legítimo, a ninguém é dado o direito de Lhe questionar a autoridade.”(Kitáb-i-aqdas – Baha’u’llah)

As leis do Kitáb-i-aqdas (Apocalipse 10 )  caem na terra e proclama a unidade da diversidade da nova ordem mundial de Baha’u’llah. São os governantes e demais políticos responsáveis  em propagar a mudança de comportamento, nesse caso o fim de toda forma de preconceito. O processo é lento, mas continua avançado para a legalização da maconha. Ora, o que é errado passa a ser certo e o que é certo passa ser o errado….

É provável que o bahaismo nem aprove o uso de drogas, mas a diversidade de Baha’u’llah penetra nos corações da humanidade independente da conduta moral dos povos e isso usando todo tipo de manobra absurda. O bahaismo é neutro e cada pessoa faz a adequação necessária conforme o grau de  avareza que possui no coração.

O THC iniciou a sua jornada alguns anos atrás. Naquele tempo  a ANVISA proibia o uso da cannabis de forma radical, mas nesse mês de maio/2017 tudo mudou e agora a importação de produtos para fins medicinais teve início. Os apelos dramáticos da mídia mostrando a bela e jovem mamãe de olhos verdes com sua filha necessitando do medicamento para sobrevier convenceu os nossos poderes legisladores da  “importância “ da causa.

A primeira pergunta que se faz é: Quem é a ANVISA? Ora, temos uma pessoa que se esconde em um nome de empresa jurídica atuando nesse processo. Considerando um país podre e atolado na corrupção como o Brasil, fica evidente que alguém do alto escalão dessa agência está recebendo por fora para dar o sinal verde aos medicamentos.

A primeira etapa do processo foi concluída com êxito, mas resta continuar indo de encontro a legalização não só da droga, mas do tráfico. O passo seguinte é estabelecer critérios  para diferenciar o usuário do traficante. Dessa forma, uma pessoa poderá ser considerada usuária portando x gramas de maconha.

O último passo unifica os fins medicinais e os recreativos, visto que o medicamento  é muito caro, os usuários das duas modalidades receberão o direito de plantar a sua própria erva. É aqui que entra a legalização do tráfico. Finamente os traficantes renomados  poderão sair da clandestinidade e parceria com o crime organizado para o mercado.

Não é por acaso que o ex-presidente FHC do PSDB luta bravamente para que essa causa seja aprovada pelos senadores. Seu alvo é o mercado de semente de maconha. E assim, o THC encontra o FHC…Para o Estado nada poderia ser melhor, pois os governantes pouco sem importam com a vida dos governados. O que querem de nós é extrair qualquer coisa que possa ser transformada em lucro. Se isso vai resultar em uma sociedade débil ou com várias doenças neurológicas causas pela droga, pouco importa.

Grandes laboratórios internacionais financiando campanha de políticos ou políticos em parceria com as grandes plantações de maconha como as que estão no Chile sedentos por sementes são o futuro  de uma sociedade perdida. Faltaria tempo para falar da máfia de médicos que podem abocanhar esse novo mercado de dependentes.

https://estudosdafe.wordpress.com/2008/12/05/o-livrinho-da-besta/

http://www.paraiba.com.br/2017/05/18/23409-maconha-e-reconhecida-formalmente-pela-anvisa-como-planta-medicinal

http://pesquisa.in.gov.br/imprensa/jsp/visualiza/index.jsp?jornal=1&pagina=45&data=08/05/2017

https://www.cartacapital.com.br/saude/cara-importacao-do-canabidiol-movimenta-a-fabricacao-caseira-do-remedio-de-maconha-6133.html

http://www.brasil.gov.br/saude/2016/11/anvisa-define-regras-para-venda-de-medicamentos-a-base-de-canabidiol