Política

ordem-bahaullahA política tem origem no grego politiká, uma derivação da palavra polis, ou seja, aquilo que é público. Dentro da política existem várias formas de governos que estão inseridas em dois grandes grupos república e monarquia. Desde que surgiram esses dois sistemas facilmente são corrompidos pela atuação do capital, dando origem a demagogia e a tirania , respectivamente.

Por exemplo, o a política no Brasil está totalmente destruída e jogada a própria sorte. As mulheres e os homens mais corruptos, malignos, perversos, satânicos, irresponsáveis, cruéis, avarentos, desprezíveis, mentirosos, grossos, sem educação, amantes de si mesmos, ladrões, arrogantes, prepotentes, pedófilos, sujos e podres tem se alternado no poder a serviço do capital e suas formas de corrupção.

Ora, essas são bem conhecidas entre nós, embora muitos se recusem aceitar essa realidade por não terem coragem de ferir o seu ego. Elas surgem na forma de privatizações, concessões, parcerias publicas privadas, obras hiper faturadas, Organizações Sociais de Saúde. A sede de dinheiro desse sistema não tem fim e o resultado é o sacrifício daquilo que realmente é a polis ou o público, onde se é retirado direitos trabalhistas (ênfase para aposentadorias), sobre carga absurda e injusta na tributação. O resultado disso é um rastro de enxofre e miséria no mundo inteiro.

Entra governo e sai governo, seja pelo fim do mandato ou antes pela corrupção, e nada muda. O que temos é apenas variações que possuem o mesmo intento, ou seja, roubarem o máximo que conseguirem da população e depois realizar a partilha entre políticos e o sistema corrupto do capital descrito acima (privatizações, O$$, ONGS, institutos (lula e FHC….)…)

É nesse cenário de devastação, tristeza e angustia que vivemos surge a ordem mundial de Baha’u’llah com a sua solução. Qual é a melhor forma de governo? Filósofos de várias épocas se preocuparam com essa questão, mas o cristo cósmico Baha’u’llah propõe algo inovador, ou seja, juntar tudo em um só. Simples assim! Como ele mesmo descreve no texto abaixo:

“…Embora uma forma republicana de governo seja de proveito para todos os povos do mundo, a majestade da realeza é, no entanto, um dos sinais de Deus. Não desejamos que disso os países do mundo fiquem privados. Se os homens e sagacidade combinarem as duas formas em uma só, grande será sua recompensa na presença de Deus….”Epístola BISHÁRÁT (Boas-Novas de Baha’u’llah).

Monarquia, Republica na forma de socialismo, capitalismo e suas variáveis. Tudo isso junto em um único governo, porém é dito – e com muito acerto – que Bahá’is não participam diretamente em política, por isso esperam em outras palavras que os governantes da terra venham de joelhos e desesperados por não saberem mais o que fazer:

“….À medida que o número de comunidades bahá’ís em várias partes do mundo se multiplicar, e seu poder como força social se tornar mais e mais aparente, elas sem dúvida ver-se-ão cada vez mais sujeitas à pressão que pessoas de autoridade e influência, no campo político, irão exercer sobre elas na esperança de obterem o apoio que precisam para levar avante seus objetivos..” (Shoghi Effendi- Guardião da Fé)

É na aplicação dos princípios Baha’is por políticos do mundo inteiro, especialmente na renovação espiritual dos políticos que eles acreditam estabelecer esse novo sistema de governo.

E por fim, algumas considerações Bíblicas. A ordem mundial de Baha’u’llah coloca em prática o mesmo governo descrito em Apocalipse 13, onde temos um sistema completo com a integração de todas as formas de governo criadas diabolicamente pelo homem.

Sete cabeças que levam ao oitavo rei, nove chifres ou reis de um sistema republicano e seu líder o anticristo que governará através da monarquia, uma besta de dois chifres representado o poder espiritual do oitavo rei na terra, um falso profeta, uma babilônia que usa o seu poder financeiro para privatizar a terra e finamente um sistema comunista/socialista formado por Gogue e Magogue. Tudo isso com a força do urso para devastar, a autoridade de um leão e a velocidade de um leopardo para tomar decisões repressivas.

“E EU pus-me sobre a areia do mar, e vi subir do mar uma besta que tinha sete cabeças e dez chifres, e sobre os seus chifres dez diademas, e sobre as suas cabeças um nome de blasfêmia.”  (Apocalipse 13 : 1)

Essa tal renovação espiritual descrita acima nada mais é do que a adoração a besta que sobre do abismo na forma do cristo cósmico pelos governantes que aguardam o seu redentor. E assim, o mundo caminha a espera da besta do abismo e do anticristo (vulgo executivo mundial) para supostamente solucionar o problema que criaram.

Anúncios