Carnaval x corrupção e suas conseqüências

É o momento de esquecermos os problemas da vida. É hora de apreciar a Rainha da bateria que mais se destacou nas novelas da TV globo através do seu corpo como a principal figura da escola de samba. Um ano de malhação para exibir o resultado na avenida. Nossos músicos exaltam a grande festa: Chico Buarque, Caetano, Ivete Sangalo e muitos outros dão o tom da festa. Quem não possui poder aquisitivo para exibir sua fantasia de luxo pode correr atrás dos blocos de carnaval. Não importa se antes ou depois do cordão de isolamento. O importante é curtir, beber, beijar e festejar. Viva a alegria! Tem espaço até para as crianças…Viva o relacionamento sem compromisso! Acaso não são discursos assim que ouvimos ao  ligar a TV?

Algumas pessoas aproveitam esses dias para um repouso, especialmente devido a ditadura capitalista que vivemos onde muitos trabalham com poucas folgas e quase o dia inteiro, mas não vamos nos deter nesse aspecto e sim no sentido da alegria desse evento.

A alegria, tal como é concebida no carnaval, manifesta-se pela indução com uso de bebidas, drogas e a sensualidade. Já na sua expressão de subjetividade os sentimentos variam, mas a finalidade da alegria é a mesma, por exemplo: A atriz global se sente alegre ao exibir o seu corpo para o público, pois sabe que desperta a inveja e o desejo. E assim, o sentimento de alegria se espalha nas mais diversas formas desde a mulher objeto até as alegorias. Sendo alegoria uma expressão de idéia, compete as Escolas que desfilam despertar o sentimento de espanto com seus carrinhos no telespectador que assiste o desfile.

Ela também promove a unidade da diversidade na ordem mundial de Baha’u’llah. O turismo faz com que pessoas de várias partes do globo observem de perto essa cultura fabricada. O foco está em reconstruir a torre de babel criando um mundo sem fronteiras. Também não são poucos os casos em que o samba enredo se inspira nos princípios do cristo cósmico da ONU como: O fim de todo tipo de preconceito e a igualdade entre homens e mulheres.

Essa alegria também serve para transformar a corrupção em cultura. Usar máscaras com o rosto de corruptos servem apenas para controlar a população para não se rebelar contra o Estado. Já vamos para dois anos onde o noticiário de TV apresenta de forma irritante o reality show da corrupção. Do petróleo roubado pelo PT de Lula/Dilma e as merendas escolares superfaturadas de Alckmin e Aécio do PSDB. Tudo vira  um espetáculo onde ninguém e punido.

A cada estamos sendo levados para o cativeiro. Uma prisão que tira o poder aquisitivo dos trabalhadores e nos deixa passivos diante da injustiça e corrupção. Será que um dia vamos sair do estágio de letargia que o Estado impõe ao transformar o carnaval na melhor forma de alienar um povo, onde traficantes, políticos e bicheiros se unem em nome da corrupção? Bem disse Isaías sobre o bloco da farra que dura até os dias atuais:

Ai dos que se levantam pela manhã e seguem a bebedice e continuam até alta noite, até que o vinho os esquente! E harpas e alaúdes, tamboris e gaitas, e vinho há nos seus banquetes; e não olham para a obra do Senhor, nem consideram as obras das suas mãos. Portanto, o meu povo será levado cativo, por falta de entendimento; os seus nobres terão fome, e a sua multidão se secará de sede. Portanto, o inferno grandemente se alargou, e se abriu a sua boca desmesuradamente; e para lá descerão o seu esplendor, e a sua multidão, e a sua pompa, e os que entre eles se alegram”. (Isaías 5.11-14).