Conceituando o Estado-nação e o Estado-islâmico

Bênção e paz estejam sobre Aquele com Cujo advento Bathá se engrinaldou de sorrisos, e de Cujas vestes se difundiram as suaves fragrâncias sobre toda a humanidade – Aquele que veio para proteger os homens contra aquilo que lhes poderia causar dano no mundo terreno… Seu advento se ergueu em todo o mundo o tabernáculo da estabilidade e ordem, e se içou entre as nações a insígnia do conhecimento. (…)e, finalmente, fizeram inverter-se a bandeira do Islã entre todos os povos.” ( Baha’u’llah – Epístola de Maqsúd)

Apenas como esclarecimento Bathá é uma referência usada por Baha’u’llah para identificar Maomé. Resumindo o texto acima. O cristo cósmico Baha’u’llah profetiza que com a sua manifestação, seja ela espiritual ou não, o Islã se converteria aos seus princípios universais de diversidade.

Nada poderia estar mais longe da verdade, mas para o bahaismo isso faz parte apenas um devir (mudança contínua entre opostos) que simboliza tempos de tribulação (666) e um futuro tempo de paz (999).

A França não tem respeitado o profeta Maomé. Hoje é o local onde se tem grande números de mulçumanos. As charges, a recente lei do véu islâmico e os bombardeios da França ao Estado Islâmico serviram como estopim para a os seguinte ataques : 1)Stade de France, 2) Bar La Belle Equipe, 3)Bataclan, 4) Bar Le Carillon. 5)restaurante Le Petit Cambodge, 6) Rua Beaumarchais, 7) Rua de la Fontaine au roi e 8) Boulevard Voltaire.

Ops! França?! Um momento..o que as pessoas comuns tem a ver com os interessantes gananciosos de seus governantes? Ambos os lados matam pessoas que não possuem qualquer vínculo nesse jogo pelo petróleo no oriente médio.

É aqui que ente o conceito estado-nação. A nação não é representada pelo Estado, mas o Estado adora usar a nação (entenda-se povos) como escudo. E o povo, despercebido como sempre, entra no jogo. Esse fato pode ser visto no nacionalismo doentio que os torcedores fizeram ao cantar o hino da França, reforçando ainda mais a idéia de que eles são o Estado.

Já o estado islâmico. Está relacionado ao estado de espírito, o caos e o terror. Chega ser ridícula a afirmação do presidente Frances em dizer guerra ao estado islâmico, pois ele precisa do terror, a industria de segurança precisa do terror, o capitalismo precisa do terror. E assim, o estado e o capital armamentista precisam do terror e mais uma vez é no massacre e derramamento de sangue dos inocentes que justificam milhões gastos contra o terror que eles mesmos criaram, os governantes claro.” Introduza um pouco de anarquia, altere a ordem estabelecida e tudo vira caos…”:

Da ficção americana para a realidade francesa. Afinal, alguém já imaginou o que seria do Batman sem o Coringa (o agente do caos)? Infelizmente isso é só o começo e nem precisamos esperar pelo mês de janeiro para iniciar as desgraças.

Anúncios