O verdadeiro mar de lama

O rompimento das barragens de Samarco-MG que devastou a cidade de Bento Rodrigues mostra como a nova consciência ambiental está surgindo em toda a sua amplitude de irresponsabilidade e incompetência.

O mar de lama não começou nessa simpática cidade destruída, mas na ordem mundial de Baha’u’llah. “ A terra é um só país e a humanidade seus cidadãos”. Uma frase tão curta serviu de inspiração para a criação de infinitas agências estúpidas da ONU envolvidas com a causa ambiental.

Foram dezenas de pactos e documentos inúteis, Avaliações e certificados ambientais que não servem para nada. ISO 14.00 e séries, ABNT e outras siglas que são conquistas pelas empresas de acordo com manobras políticas ilícitas de corrupção.

E assim, o capital , seja ele estrangeiro ou internacional, se uniram para explorar riquezas com parcerias públicas e privadas, nesse caso a Vale do rio doce e uma empresa anglo-australiana. Nossos detestáveis políticos também se uniram nessa santa aliança recebendo doações que deveriam ser chamadas de investimento para criarem leis fracas que não fiscalizam como deveriam. O resultado foi esse verdadeiro desastre do rompimento da barragem, a morte de dezenas de pessoas e crianças sufocadas por um lamaçal terrível.

Vidas perdidas das quais ninguém será responsabilizado. Afinal que é a Vale? Ora, é um ser absoluto e abstrato sem personalidade física. Vitimas da ganância do capitalismo que explora além dos limites estabelecidos para a extração do minério.

 

http://www.onu.org.br/rio20/img/2012/01/rio92.pdf

http://www.brasildefato.com.br/node/33412