• setembro 2015
    S T Q Q S S D
    « ago   out »
     123456
    78910111213
    14151617181920
    21222324252627
    282930  

O fim do jornalismo

inwo bimbo at elevenIniciamos essa investigação refletindo sobre o fim do jornalismo informativo e a chegada do jornalismo de consumo. O jornalismo informativo chegou ao fim por volta do ano de 2010. Nessa época sites como o da BBC seguiam o padrão da globalização alternando suas noticias de acordo com a agenda global, sejam elas de ordem política, social, econômica ou religiosa.

Mas com a chegada da internet o lucro com a venda de jornais caiu muito durante os últimos anos. Alguns jornais como Estadão e Folha de São Paulo tentam sobreviver criando assinaturas ou desativando de forma estúpida a opção de copiar e colar. Essa crise do capital jornalístico levou a uma reestruturação voltada para uma cultura de massas na forma mais decadente possível.

O ápice do declínio surgiu nesse ano de 2015. Não importa qual seja a fonte de informação, sites como TERRA,UOL, FOLHA, ESTADÃO, BBC, G1 e outros padronizaram suas páginas. Ao analisarmos os referidos sites percebemos uma rotina tediosa de reportagem, a saber:

1) Notícia sobre corrupção política e econômica – PT, Dilma, Petrolão…

2) Noticia entretenimento – modelos fracassadas mostram partes do corpo em busca de fama ou algum político corrupto que possa pagar por um programa.

3) Notícias sobre saúde familiar – dicas estúpidas de saúde como: Aprenda a respirar direito. E claro o maldito futebol nos finais de semana!

Diante desses fatos, tornou-se muito mais difícil conseguir escrever ou acompanhar os acontecimentos que estão escondidos nesses bastidores. Até mesmo a ordem mundial de Baha’’ullah reformulou o seu site e se apresentam como mais uma das muitas religiões omitindo a função de governar a terra. Uma semana, um mês…não sei mais quanto tempo as páginas desse blog ficarão sem atualização. É tempo de consagrar, purificar, santificar e pedir a DEUS muita sabedoria para continuar nessa jornada que a cada dia está mais solitária e angustiante. Ora, muito mais importante que a quantidade é a qualidade.

Anúncios