A estrada da fúria e o ajuste fiscal

O filme Mad Max Estrada da fúria mostra a realidade econômica que estamos vivendo.É impossível não ver esse monstro em cada governador, presidente, prefeito e demais políticos…

estrada_furia

O novo filme Mad Max é bem chato e apresenta o tempo inteiro cenas de ações com muito tédio em um deserto, mas mesmo assim mostra uma realidade cruel. O vilão do filme é um monstro que possui pouca coisa de humano, um ser leproso que vive nas trevas de uma montanha e usa uma máscara de caveira sobre a boca, mesmo diante desses atributos ele se declara o redentor da humanidade.

Ora, toda a economia estuda a distribuição dos meios de produção e esse último ajuste fiscal foi um dos mais cruéis. Basicamente ele rouba dinheiro da previdência e cria uma sobrecarga de impostos que é usado como garantia para as privatizações internacionais, ou seja, vender o país para qualquer um que queira comprar.

Mas o pacote de bondade burguês não para por aí. Ainda temos os juros altos para beneficiar os grandes bancos e os misteriosos compradores de títulos do governo (dívida transformada em ações) que nunca são revelados. O lucro dos bancos como ITAÚ e BRADESCO estão estampados nos jornais, sendo que esse último e investidor oficial das olimpíadas e aliado do ministro da economia.

Para nós pessoas comuns o governo petista (se fosse PSDB não seria nada diferente) resta apenas o pacote de maldades roubando direitos previdenciários, taxas de água/luz absurdas com metas de consumo impossíveis de serem atingidas que se convertem em multas, inflação e uma luta para sobreviver apenas pelo instinto básico humano. Isso sem falar do fim do aumento salarial e o fim de qualquer poder aquisitivo.

Mas voltando ao filme, em uma das cenas, o monstro redentor da humanidade, em um ato de misericórdia, abre duas alavancas para que um bando de pobres peguem apenas um balde de água e rapidamente a fecha dizendo para seu povo não se viciar em água. Sim! Vivemos uma crise hídrica que fatalmente levará muitos lugares ao caos, porém nesse caso essas comportas que se abrem na realidade se convertem em empréstimos.

Esse é o lado mais triste do maldito ajuste fiscal, uma vez que o governo roubou dinheiro dos trabalhadores, distribuiu uma parte para a corrupção, privatização e mercado financeiro, resta agora abrir as comportas do crédito novamente. Podemos usar como exemplo as novas regras do empréstimo consignado. Agora se tem mais tempo para pagar. Mas não se esqueça…não se vicie em crédito diz o governo e a mídia…E assim, esse ciclo do fracasso capitalista vai continuar até que se perdoem as dívidas através da Ordem Mundial de Baha’u’llah que não representa paz, mas uma nova forma de tribulação mundial

Voltando para o filme…o monstro redentor detém para si toda a água, vive no topo da montanha com direito a várias concubinas e possui sua própria plantação. Por outro lado, o povo vive vagando no deserto em condições precárias esperando que caia um pouco de água abençoada pelo redentor. É impossível não ver esse monstro em cada governador, presidente, prefeito e demais políticos. Todos usam uma máscara relativista na face para alguns eles estão sorrindo (fica dilma)  e para outros é a face do mal (fora dilma) …

 

 

http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2015/08/1670275-governo-prepara-pacote-que-inclui-credito-de-banco-publico-a-empresas.shtml

http://g1.globo.com/economia/seu-dinheiro/noticia/2015/08/inss-define-novas-regras-sobre-emprestimo-consignado.html