Usando o reassentamento para reconstruir a torre de Babel

Um dos maiores sonhos da ordem mundial de Baha’u’llah é reconstruir a torre de Babel descrita em Gênesis 11; e para esse fim os princípios de Bahá’u’llah sobre um mundo sem fronteiras encontrou abrigo na ONU e no Conselho de Segurança:

“…Os Estados Unidos da América serão apenas um nome. Alemanha, França, Inglaterra, Turquia, Arábia – todas essas nações serão interligadas em união. Quando se perguntar às pessoas do futuro: “Qual a sua nacionalidade?”, a resposta será: “Pertenço à nação da humanidade. Vivo à sombra de Bahá’u’lláh. Sou servo de Bahá’u’lláh…” (Abdu’ l’Bahá- A Paz Universal).

Os recentes acontecimentos no Mar Mediterrâneo serviram como força motriz para a criação do mundo sem fronteiras, pois as regiões celestiais do mal precisavam dessas mortes para interferir na mente humana. E assim, Suherland soltou essa pérola no Conselho de Segurança da ONU: “Precisamos de mais países de reassentamento. Apenas metade dos 28 estados-membros da União Europeia pratica o reassentamento, Sutherland”.

O reassentamento esperado possuis várias faces como: A aceitação e legalização das migrações, maiores chances de criar um idioma universal com a diversidade de culturas, mão de obra escrava para o capital e casos de xenofobia. O plano utópico da ONU consiste em combater o tráfico ilegal e legalizá-lo como fonte de lucro segundo suas práticas corruptas.

Mas como diz a própria comunidade Bahá’i. Essas alternâncias entre luz e trevas produzem o que eles chamam de momentos de paz (999) e tribulação ( 666). Algo que não aconteceria se a Terra fosse governada pela verdadeira luz de DEUS e não da besta que subirá do abismo.

 

http://www.unric.org/pt/actualidade/31820-alta-representante-europeia-defende-combate-aos-traficantes-de-migrantes-no-conselho-de-seguranca-da-onu