“Era de Ultron” e a liderança do imperialismo americano

Sinopse: “Tentanto proteger o planeta de ameaças como as vistas no primeiro Os Vingadores, Tony Stark busca construir um sistema de inteligência artifical que cuidaria da paz mundial. O projeto acaba dando errado e gera o nascimento do Ultron (voz de James Spader). Capitão América (Chris Evans), Homem de Ferro (Robert Downey Jr.), Thor (Chris Hemsworth), Hulk (Mark Ruffalo), Viúva Negra (Scarlett Johansson) e Gavião Arqueiro (Jeremy Renner) terão que se unir para mais uma vez salvar o dia.

Análise: “Era de Ultron é um ótimo espetáculo. Tudo é grandioso em quantidade e qualidade, tudo o que uma produção de super-heróis com elenco estrelado deve ter. As sequências de ação são espetaculares e imitam com fidelidade o que já foi mostrado nos quadrinhos.”

A visão desse filme sobre o senso comum mostra apenas um filme repleto de ação como descrito acima e uma mensagem secundária de heróis mais humanos e sobre os seus medos; porém a agenda global para uma nova ordem mundial atua de forma subliminar na mente das pessoas. Quanto menos souberem melhor será o efeito.

Em poucas palavras, a história se baseia em usar o poder que está no cetro de Loke (irmão de Thor que vive nas trevas). Qualquer semelhança com o diabo não é mera coincidência. Os vingadores iniciam uma batalha para obter o cetro que está com a agência Hydra. O homem de ferro decide criar uma inteligência artificial para proteger a humanidade, mas seus planos dão errado. E assim, surge os humanóides Ultron e Visão que são despertados com a ajuda do computador do homem de ferro, Jarbes.

O filme usa como tema a inteligência artificial sobre três pontos de vista. Jarbes (a tecnologia ultrapassada do homem de ferro), Ultron (uma IA vinda do além que encontra-se na camada superficial do cetro de Loke) e Visão ( O humanóide perfeito que se encontra em uma jóia oculta que está no interior do cetro de Loke).

A transição para um governo global acontece na medida em que essas tecnologias se enfrentam, sendo que o humanóide Visão trabalha como auxiliador da paz mundial que é administra pelos EUA e também conta com a ajuda da IA de Jarbes, mesmo sendo essa ultrapassada. Para comprovar a sua divindade, Visão consegue levantar o martelo de Thor, algo que só pode ser feito por um deus. Sendo assim, o filme deveria chamar “Era de Visão”, mas como de costume não se deve revelar o nome do prometido no ocultismo.

O que temos aqui é um pacto por dinheiro que oculta a seguinte realidade: O imperialismo americano usando uma tecnologia repressora para controlar a humanidade se apoiando em um deus digital que seria a imagem de Baha’u’llah ( O humanóide Visão usa a sua gema no centro da testa para demonstrar o seu poder sobre as pessoas), ou seja, temos uma tecnologia que ajudará a besta do abismo a se manifestar nessa dimensão e outra para escravizar. Nada mais realista do que isso.

É importante ressaltar que todo filme de ficção cientifica tem um fundo de verdade e elas estão sendo colocas em prática. Algumas delas que foram vistas nesse filme são: regeneração de células ou clonagem, computadores quânticos, inteligência artificial, realidade aumentada, transformação da humanidade em robôs (sonho do Google), manipulação da mente, corrupção (transferência de créditos) em uma economia por pulsos eletrônicos, terremotos fabricados, exploração e roubo das riquezas da África e a volução dos carros do Google e do Google Glass.

 

http://br.ign.com/marvels-the-avengers-2/3316/review/review-vingadores-era-de-ultron

http://www.adorocinema.com/filmes/filme-198488/

Anúncios