Os assassinos estão livres!

O maior exemplo da política do crime  pode ser visto no estado de São Paulo que tem a infelicidade de ser controlado por duas décadas através de um tal “alckmin”  e que deseja se perpetuar no poder, mesmo que tenha oscilado nos cargos políticos, esse fantasma sempre esteve presente para destruir a vida das pessoas.

A elite burguesa  do PSDB não vê o cidadão como humano e sim uma forma de fonte de lucro. É através das privatizações que todo o dinheiro público fica sobre o controle de uma pequena oligarquia partidária de empresário.  Dessa forma, a privatização do crime surge como uma ótima plataforma eleitoral. Afinal, é o PCC que oferece toda assistência juririca, social e financeira aos “companheiros” sindicalizados.

Para facilitar a vida dos bandidos, o governador de São Paulo resolveu centralizar toda a cúpula partidária do PCC  no presídio de Presidente  Venceslau. É de lá que  eles julgam quem tem o direito viver ou morrer, suas alianças partidárias e tudo mais. No vídeo abaixo, o marginal se sente indignado ao ter que sair do seu presídio preferido para fazer um depoimento. Nesse vídeo o marginal deixa claro ser inimigo do Ministério Público, instituição que tenta provar os crimes de alckmin e seu partido. ” …Aqui cês não intimida não rapaiz . É o primeiro comando da capital aqui inimigo número um de vocês rapaiz…”, diz o marginal:

Fugas cinematográficas, regalias, uso da força e assassinatos. Tudo acontece na frente do governador que não faz absolutamente nada.  O que a mídia apresenta são discursos hipócritas dizendo que está sendo instalado – um bloqueador –  de celulares ou alguma medida paliativa com poucos dias em regime diferenciado.

O que seria do PSDB sem o PCC? Nada! A aliança partidária também surge através da grande mídia em um ciclo de programas sensacionalistas. Ao observar o roteiro desses programas (Cidade Alerta, Brasil Urgente e outros lixos) nota-se uma certa rotina que se repete: uma notícia chocante é exibida para florescer o sentimento de injustiça no povo, logo em seguida aparece um ato de bravura da polícia; finalmente temos  os comerciais (momento em que a mente do cidadão global repousa para ser bombardeada com um novo ciclo de ação social emotiva).

Ora, a falsa impressão de que a justiça está sendo feita precisa despertar o interesse e a forma de chamar essa atenção precisa de uma desgraça que choque. A isca  aqui é o  sensacionalismo barato da mídia.

O importante é que através dessa atitude podemos traçar o perfil do governador que deseja ser imortal e eterno no poder, ou seja, alguém que despreza o povo, não possui qualquer tipo de sentimento solidário, uma farsa criada por marqueteiros políticos em estúdios, alguém que governa apenas para a elite e suas oligarquias, um avarento e um racista que vê em sua biologia  européia (só se for o nariz) o padrão de perfeição humana. É através de sentimentos como os aqui descritos que o mesmo se acha no direito de humilhar, massacrar, punir, reprimir, tirar as condições mínimas de vida que um ser humano em busca do poder eterno.

Que as pessoas possam acordar para essa realidade e derrubar esse tirano.

http://www.cartacapital.com.br/blogs/blog-do-serapiao/crime-em-lugar-do-estado-como-o-pcc-pretende-dominar-o-brasil-3006.html