Uma analise do filme “A hospedeira”

“A fome e a violência foram erradicadas da Terra, bem como os problemas climáticos do planeta foram resolvidos. Estes feitos foram conquistados graças aos seres alienígenas conhecidos como almas, que ocupam corpos humanos como se fossem parasitas. Pregando uma sociedade baseada na paz, as almas perseguem os poucos humanos que ainda não foram dominados. Um deles é Melanie Stryder (Saoirse Ronan)…”

É impossível negar a importância do fortalecimento do mito sobre os Ets, afinal até a presidente Dilma andou fazendo uma propaganda por aqui através da seguinte frase:  “…primeiro, eu queria te dizer que eu tenho muito respeito pelo ET de Varginha. E eu sei que aqui, quem não viu conhece alguém que viu, ou tem alguém na família que viu, mas de qualquer jeito eu começo dizendo que esse respeito pelo ET de Varginha está garantido…”

A escritora Stephenie Meyer é conhecida por escrever livros que viram filmes  mais realistas envolvendo o condicionamento à Nova Ordem Mundial, por exemplo, na saga criada por ela chamada  Crepúsculo a autora enfatiza o vampiro moderno, ou seja, aquele que rouba os sentimentos de felicidade dos seres humanos.  Já nesse filme a temática abordada é a ufologia espiritual.

Os Ets,  em forma de uma luz cósmica branca,  assumem o consciente das pessoas através de um pequeno corte no pescoço. Esses Ets  são demônios desglorificados, ou seja, sem corpos e que procuram entrar na mente das pessoas para assumir o lado consciente. No caso desse filme, a personagem Melaine vai para o subconsciente devido a sua resistência e o ET chamado de Peregrina assume o controle do seu corpo e o lado consciente. Dessa forma, as duas disputam amores e opiniões durante a trama nos dois lados do cérebro.

O filme explora um dos ensinamentos Bahá’is que é a inexistência do mau ou de demônios, os ETs, apesar de não terem corpos, seguem a tradição do mito, ou seja, mais inteligentes e evoluídos do que nós.

O que destaca no filme é a fusão de demônios com seres humanos para transformarem a Terra em um paraíso global. O condicionamento para aceitar o comunismo também é descarado. Em uma das cenas o ET Peregrina tenta convencer Melaine que ele deve aceitar a fusão  das mentes em nome do bem comum da humanidade.

tatuagem bahá'iDe forma muito subliminar, o filme leva para um futuro condicionamento ao reinado da besta e a sua marca.  Nesse momento é impossível não traçar um paralelo com essa passagem bíblica:

“Pelos mortos não dareis golpes na vossa carne; nem fareis marca alguma sobre vós. Eu sou o SENHOR.”  (Levítico 19 : 28)

Em vários ritos de magia o corte  por mais pequeno que seja serve para trazer espíritos sobre o corpo de quem o fez. A verdadeira marca da besta também possuirá esse propósito. Foi por esse motivo que o Báb, arauto da fé Bahá’i, permitiu que os seus seguidores usassem tatuagens, especialmente a estrela de nove pontas que é o sinal unificador de Baha’ullah.

O conceito da marca idealizado por Báb ainda é muito primitivo e o mundo avançará em busca da tecnologia necessária para implantar o sinal do cristo cósmico de forma rápida e indolor. É através dessa forma de fidelidade com o governo global que algumas pessoas receberão espíritos guias quando estiverem usando o sinal da economia divina no futuro, especialmente se for na testa. Tal como descrito no filme, os que se recusarem serão mortos.

http://www2.planalto.gov.br/imprensa/entrevistas/entrevista-concedida-pela-presidenta-da-republica-dilma-rousseff-para-as-radios-vanguarda-fm-e-itatiaia-varginha-mg/view
http://www.adorocinema.com/filmes/filme-173053/