O poder do ódio

lawandorder“…O poder está em se despedaçar os cérebros humanos e tornar a juntá-los da forma que se entender. Começas a distinguir que tipo de mundo estamos criando?(…) Um mundo de medo, traição e tormento, um mundo de pisar ou ser pisado, um mundo que se tornará cada vez mais impiedoso, à medida que se refina. O progresso em nosso mundo será o progresso no sentido de maior dor (…)Em nosso mundo não haverá outras emoções além do medo, fúria, triunfo e auto- degradação. Destruiremos tudo mais – tudo…” (Geroge Orwel- 1984)

A ordem mundial de Baha’u’llah é apresentada como filosofia para os seguimentos sociais. É por isso que encontra-se presente nas divisões políticas, sejam elas capitalistas, comunistas ou anarquistas. Por ser algo que vai contra o reino de DEUS e sim o estabelecimento do reino da besta  do abismo e do anticristo,  o sistema espalha o ódio por onde passa.

A tática black bloc que chegou para ficar no Brasil está mostrando um sistema complexo de ódio. Os manifestantes do movimento odeiam a política brasileira ( e com razão) . A mídia brasileira  e os governantes sentem  ódio  pelos manifestantes. Os capitalistas sentem ódio por terem prejuízos em seus patrimônios, já os comunistas sentem ódio da tática  por ser um movimento sem liderança. Como sabemos, todos os comunistas gostam de abafar  e tomar o poder popular, mas com os blocs está difícil.

A mídia como o Jornal Nacional  da Globo tenta de tudo para colocar o povo contra os manifestantes. Chamam os jovens de vândalos ou ladrões e  procuram de todas as formas não associar  suas matérias com a palavra “Black Bloc”. Como muitas pessoas ainda não possuem internet, só ficarão com a opinião desse jornal de quinta categoria.  William Bonner não quer que o seu telespectador entenda que surgiu um conflito entre o anarquismo x comunismo.  Porém, como visto na imagem abaixo de uma pesquisa feita no jornal  O Dia, a enquête mostra o apoio ao movimento:

Se os governantes não fossem cegos pelo ódio entenderiam que é necessário dialogar e negociar, mas continuam irredutíveis. Eles querem manifestações pacíficas, pois as mesmas, quando controladas por sindicatos, não possuem efeito algum e não chamam atenção da mídia.  E o que dizer da polícia…Será que não entendem que a agressão deles contribuirá para o fim da polícia militar. Esse é um dos últimos restos da ditadura que o esquerdismo ainda não derrotou.

É por isso que a guerrilha urbana vai continuar cada vez mais forte e sem controle ou liderança.  Reprimir da forma que está sendo feita só vai aumentar o ódio dos manifestantes. E assim,  saiu o espectro do comunismo de Karl Marx e entrou o ciclo do  ódio generalizado.

Que DEUS possa mandar  algum um alívio nesses tempos trabalhosos.

“SABE, porém, isto: que nos últimos dias sobrevirão tempos trabalhosos.”  (II Timóteo 3 : 1)