A economia fraterna que leva a guerra

No ano de 2004, o então deputado do PT Nazareno Fonteles, tentou criar uma lei que implantaria a economia fraterna no Brasil. Segundo o Artigo 1 do seu projeto lei, cada pessoa receberia um cota salarial e o restante ficaria confiscado pelo governo para ser aplicado na tal poupança fraterna. O objetivo era usar o dinheiro arrecadado para a falácia da economia verde:

Art. 1º Fica criado o Limite Máximo de Consumo, valor máximo que cada pessoa física residente no País poderá utilizar, mensalmente,para custear sua vida e as de seus dependentes.

Essa estratégia financeira fica caracterizada como empréstimo compulsório, mas segundo a constituição desse país que somos obrigados a viver o empréstimo só poderia acontecer mediante uma calamidade ou guerra externa:

Art. 148. A União, mediante lei complementar, poderá instituir empréstimos compulsórios: I – para atender a despesas extraordinárias, decorrentes de calamidade pública, de guerra externa ou sua iminência;

Essa artigo da constituição foi inspirado na nova ordem mundial de Baha’u’llah e o seu futuro exército. Outro visionário do PT também defendeu essa posição como descrito abaixo:

”Decorre desse princípio a arquitetura do mais grandioso projeto político jamais imaginado pelo homem: uma instituição mundial, que com seus poderes Executivo, Legislativo, Judiciário e Militar (..) Foi Bahá’u’lláh quem formulhou a idéia-síntese desse princípio ao afirmar que “A terra é um só país e os seres humanos seus cidadãos.”( LUIZ GUSHIKEN  – PT-SP)

Esse projeto de lei está arquivado, mas em época oportuna outra lei semelhante surgirá, mas para que isso aconteça o Brasil precisa participar das decisões militares da ONU através do Conselho de Segurança. A reforma da ONU já era para ter acontecido, porém falta a manifestação espiritual de Baha’u’llah para dar inicio a uma nova era.

Dessa forma podemos ver como a filosofia do bahaismo se adapta bem ao comunismo, pois foi através do sacrifício e morte de pessoas inocentes que regimes comunistas como o da China e da Rússia criaram seus poderosos exército, porém agora travestido de fraternidade a economia divina de Baha’u’llah mostra a sua verdadeira face mesmo antes de ser concebida, ou seja, a fraternidade da morte.

Outro requisito para a implantação está nos desastres naturais. O livro de Apocalipse relata uma série desses eventos que acontecerão após a manifestação da besta do abismo, o que se torna um momento propício para implantar a nova economia mundial e confiscar o dinheiro de todos. Diabolicamente falando o deputado do PT estava certo em sua lei, mas a criou no tempo errado, pois tudo deve acontecer no tempo de DEUS.

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm

Anúncios