Xenofobia e racismo contra os médicos Cubanos

Essa é a manchete da edição No. 549 do jornal esquerdista Brasil de Fato.Para fortalecer a tese,  um grupo de médicas jovens  e brancas (verdadeiras patricinhas capitalistas) vaiam a chegada de um médico negro e experiente de Cuba em um aeroporto.

Racismo? Xenofobia? O racismo no Brasil existe de forma escondida. Afinal,  nenhuma patricinha médica residente casaria com um negro ou pessoas de outra classe social inferior, por exemplo um enfermeiro ( o contrário existe, pois médico gosta de mulher submissa ganhando menos), mas o caso não é esse. Longe de defender uma categoria de trabalhadores que não precisam de ninguém e nem de DEUS, elas estavam vaiando o sistema do “Mais médicos” e caíram nas armadilhas da agenda comunista.

Uma das últimas categorias que precisam estar submissas a ditadura do proletariado são os médicos. Em Cuba eles já pertencem ao governo, mas por aqui ainda não. Um dos primeiros passos é fazer com que esse trabalhador seja mal visto pela sociedade. Adjetivos como médicos racistas, soberbos, vagabundos, corruptos, malandros e outros mais precisam estar na boca do povo. Depois disso é só iniciar a redução salarial  e a submissão ao governo que será vista pela sociedade como uma vitória do socialismo.

É aguardar pra ver, pois infelizmente uma boa parte dos médicos se comportam dessa forma e não fazem nada para serem vistos como humanitários e que realmente se preocupam com a vida humana. Simplesmente falta o maior mandamento de DEUS…amar o próximo.

http://www.brasildefato.com.br/edicao/549