A verdadeira história do comunismo

Uma das histórias mais importantes sobre o comunismo que nunca será contada pode ser vista durante o reinado do imperador Czar Nicolau Czernichovscki II (1868 – 1917) na Rússia. Esse foi agraciado com uma epístola em forma de pentagrama escrita pelo cristo cósmico Baha’u’llah anunciando que o prometido chegou. Observe abaixo a soberba de Baha’u’llah, pois ele ordena ao Czar que o invoque como o nome dos nomes ou o objeto de todos os nomes, ou seja, ele se coloca acima de DEUS:

O Czar da Rússia “…Levanta-te entre os homens em nome desta Causa predominante e convoca, pois, as nações a Deus, o Excelso, o Grande. Não sejas dos que invocaram a Deus por um de Seus nomes, mas que, ao aparecer Aquele que é o Objeto de todos os nomes..”(Baha’u’lláh- Epistola o filho do lobo)

O imperador Czar era muito relaxado e não tinha interesse algum em permanecer na política. Um dos seus poucos feitos foi aceitar Baha’u’llah como senhor das religiões e libertá-lo da prisão na cidade de Akká – Israel por volta de 1890.

Um pouco antes de Baha’u’llah ser revelado como o prometido da Rússia, Satanás entrou na mente de Karl Max e o “agraciou” com a criação do manifesto comunista em 1848. “Um espectro ronda a Europa – o espectro do comunismo”, dizia Karl Marx. Espectro do comunismo nada! Era o novo espectro de satanás rondando a Europa em busca de sangue para se divertir:

“E disse-lhe o diabo: Dar-te-ei a ti todo este poder e a sua glória; porque a mim me foi entregue, e dou-o a quem quero.” (Lucas 4 : 6)

E assim, satanás criou uma nova “bíblia”, só que dessa vez política. Os principais ensinamentos de Karl Marx em seu manifesto foram:

1) O Socialismo – Período que caracteriza a transição entre o capitalismo para o comunismo.

2) A ditadura do proletariado – Composta por manifestações populares supostamente democráticas.

2) Comunismo – Fim da propriedade privada e do Estado.

Como ninguém conseguia entender o que Karl Max escreveu embriagado de vodka e guiado pelo diabo, surgiram outras interpretações como a bolchevista de Lênin.

E assim, cada um interpretou a ditadura do proletariado como achava melhor. Os bolchevistas acreditam que deveria existir um partido comunista durante a ditadura do proletariado. Foi nesse cenário que os revolucionários tomaram o poder matando o último imperador russo Czar Nicolau II em 1918 a mando de Lenin e Yakov Sverdlov. Czar acabou sendo contado entre os desatentos por Baha’u’llah, pois o mesmo deveria ter anunciado aos bochevistas que o prometido tinha chegado. Apenas a igreja ortodoxa Russa ouviu o clamor do cristo cósmico transformdo Czar e sua família em mártires.

A saga do comunismo continuou e surgiu a primeira crise entre Stalin e Trotski. Embora Troski não possuísse espiritualidade,  seu coração se inclinou para o reino de Abhá e sonhava com uma comunidade global sem classes sociais ou fronteiras, porém Stalin queria poderes estatais durante a ditadura do proletariado. Trotski acabou sendo exilado e morto em 1940 no México a mando de Stalin. As mortes e as atrocidades dos opositores ao sistema bolchevista tiveram fim em 1990 quando Gorbatchev subiu ao poder. Logo em seguida tivemos o fim desse tipo de comunismo, mas não das outras formas. É por isso que o comunismo continua ativo até os dias de hoje.

Nos dias atuais estamos na penúltima fase da implantação do comunismo. Como vimos em outro post, as manifestações que acontecem pelo mundo são por esse motivo. Quanto mais o poder legislativo do Estado for enfraquecido, mais o Parlamento Mundial de Baha’u’llah que surgirá após a reforma da ONU terá força em aplicar suas leis internacionais.

Seja a primavera árabe ou a primavera brasileira (poderia ser inverno também) , ambas possuem a mesma meta final para criar uma ditadura do proletariado, onde lideranças comunitárias tentaram anular principalmente os poderes legislativos de cada país.

O que mais está irritando nessas manifestações atuais é o uso da palavra “pacífica”. Ela virou quase um mantra pela mídia globalista. Isso acontece para que o comunismo que se pretende instalar não caia no mesmo erro dos bolchevistas da antiga Rússia.

Na verdade, o comunismo nunca realmente existiu até os dias de hoje, pois satanás deu apenas parte do seu poder a Karl Marx. Quando o mesmo foi enganado através da sua memorável frase: “ A religião é o ópio do povo” a criatura imbecil não sabia que precisaria de uma força motora espiritual para criar uma verdadeira comuna.

Essa força espiritual está na ordem mundial de Baha’u’llah, pois se teremos um mundo sem fronteira, sem Estado e uma comunidade trabalhando em nome do bem comum, todos precisam ser identificados da mesma forma e isso só pode ser feito através de uma ordem mundial portadora do seu sinal, nome e número de letras do seu nome (Apocalipse 13:17). Claro! Isso só acontecerá após a sua manifestação espíritual que a cada dia está mais próxima. Como exemplo disso segue abaixo um texto da comunidade Bahá’i:

A unidade do gênero humano, assim como Baha’u’llah a concebeu, compreende o estabelecimento de uma comunidade mundial em que todas as nações, raças e classes estejam estreita e permanentemente unidas, e em que a autonomia dos estados que a compõem, e a liberdade e iniciativa pessoal dos seus membros individuais, sejam garantidas de um modo definitivo e completo. Tal comunidade mundial deve abranger, segundo o conceito bahá’i, uma legislatura mundial cujos membros, os representantes de todo o gênero humano, virão a controlar todos os recursos das respectivas nações componentes e criar as leis que forem necessárias para regular a vida, satisfazer as necessidades e ajustar as relações de todas as raças e povos entre si. Um executivo mundial, apoiado por uma força internacional, executará as decisões dessa legislatura mundial, aplicará as leis por ela criadas, e protegerá a unidade orgânica da inteira comunidade mundial.” ( Shoghi Effendi – Guardião da Fé Bahá’’i).