Eric Clapton e as cores de Baha’u’llah

O cristo cósmico Bahá’u´llah é a inspiração de várias gerações de cantores. Um desses é o super guitarrista Eric Clapton. Clapton , juntamente com outros cantores, fizeram uma singela canção a Baha’u’llah. Sim! Nada de mensagem subliminar é descarado mesmo!A canção chama-se “Presence of the Lord” (Na presença do Senhor).

Clapton, tragado pelo Vale da Unidade, um dos sete vales de Baha’u’llah , criou essa canção ao seu “cristo”. A letra fala da “cor do senhor”, entende-se isso aqui no Bahaismo as cores da diversidade e a luz de Baha’u’llah em cada cidadão global.

O objetivo é fazer com que as pessoas vão se preparando para aceitar o sinal, o nome e o número de Baha’u’llah sobre suas vidas para movimentar a economia divina, ou seja o sinal “ divino” dele em suas testas (Apocalipse 13:17) .

VALE DA UNIDADE – “Não vê em si próprio nem nome, nem fama, nem posição, mas encontra seu próprio louvor no louvor a Deus. Em seu próprio nome vê ele o Nome de Deus; para ele, Todas as canções provêm do Rei, e dEle vem cada melodia…. “

Veja que Baha’u’llah diz “Em seu próprio nome ele vê o nome de deus”. Isso quer dizer que as pessoas vão ficar tão felizes com a nova economia divina que seus nomes já não terão importância, pois tudo é de Baha’u’llah ( A Glória de deus em português).

No verso abaixo, Clapton faz o seu louvor a Baha’u’llah através das cores da diversidade quando diz a frase: “ in the color of the lord”.

Everybody knows the secret,

Everybody knows the score.

I have finally found a way to live

In the color of the Lord.

O segredo de todos os tempos ( a manifestação espiritual de Baha’u’llah) agora será revelado. E isso trará a falsa paz sobre os habitantes da Terra na forma da luz unificadora. Que lindo! Todos iluminados pela cor do senhor! Veja a tradução:

Toda a gente sabe o segredo

Toda a gente sabe a quantas anda

Encontrei por fim uma maneira de viver

Oh na cor do Senhor

Clapton também foi tragado por essa voz que está nos sete vales: “E, no entanto, através desse efeito, segundo a ordem do Criador, ele treina cada coisa de acordo com a qualidade desta, como bem podes observar. Outrossim, as cores tornam-se visíveis em cada objeto segundo a natureza desse objeto (…) “

Mas Clapton deixa um recado para os rebeldes (aqueles que não vão aceitar a manifestação de Baha’u’llah, especialmente os cristãos verdadeiros). Aos 3:35  até  4:31 do clipe, ele executa um solo agressivo e rebelde usando um pedal over drive +  wah-wah em sua guitarra para indicar aqueles que  vão se opor a cor da diversidade (as almas inválidas) ,  como descrito nessa outra parte dos sete vales:

“…E se um lugar for fechado à luz, por paredes ou um teto, ficará inteiramente privado do esplendor da luz; nem poderá o sol ali brilhar. Assim é que certas almas inválidas confinaram as terras do conhecimento dentro dos muros do ego e da paixão…”

Mas os rebeldes somem. Uma parte misteriosamente desaparece e outra é morta. Por isso Clapton aos 4:32 tira um som melódio e suave. E todos caminham novamente na “cor do senhor”…

E assim, os mais variados estilos musicais vão se curvando ao poder do cristo cósmico para condicionar a maior parte da população:

“A besta que viste foi e já não é, e há de subir do abismo, e irá à perdição; e os que habitam na terra (cujos nomes não estão escritos no livro da vida, desde a fundação do mundo) se admirarão, vendo a besta que era e já não é, mas que virá.” (Apocalipse 17 : 8)

E virá na cor do “senhor”…

Obs.: Ao engraçadinho que raqueou a edição do blog. Estou de volta!

http://estudosdafe.wordpress.com/2008/12/05/o-livrinho-da-besta/