Uma análise das duas bestas adventistas

“E, se Satanás expulsa a Satanás, está dividido contra si mesmo; como subsistirá, pois, o seu reino?”  (Mateus 12 : 26)

Após a renuncia de Bento XVI começaram a se fortalecer muitas interpretações bizarras sobre as sete cabeças da besta. O destaque vai para dois seguimentos adventistas. São eles:

1) O Amanhã Hoje – Site adventista – I

Cinco já caíram: 1) PioXI; 2) Pio XII; 3)João XXIII; 4)Paulo VI; 5) João Paulo I
O que  existe: 6) João Paulo II
O que dura pouco tempo: 7) Bento XVI

Obs. A teoria dos papas está  sem fudamento, pois o líder do Vaticano preenche apenas os requisitos como falso profeta e não da besta do abismo.

2) Na Mira da Verdade – Site adventista – II

Esse vídeo  é muito interessante. O autor do video acha a interpretação da primeira besta ( O amanhã Hoje)  uma besteira e a besta dele a verdadeira, mas ambas estão mais para besteiras.

Cinco caíram: Egito, Síria, Babilônia, Medo-Persa, Grécia
O que existe: Roma imperial
Oitavo e sétimo rei são os mesmos: Roma Papal

Comentário sobre as interpretações:  Após vários sites e blogs guiados pelo verdadeiro DEUS desmascararem a teoria dos papas, os adventistas não perderam tempo e criaram uma nova interpretação. Mas ambas divisões  continuam interpretando de forma errada o versículo abaixo:

“E a besta que era e já não é, é ela também o oitavo, e é dos sete, e vai à perdição.”  (Apocalipse 17 : 11)

Ambas interpretações retrocedem para um determinado rei. No exemplo 1 ( O amanhã hoje)  voltam para o 6 rei e no exemplo 2  ( Na mira da verdade) o sétimo e oitavo rei são o mesmo.

Ora, se fosse para voltar aos sete reis o Apóstolo João não teria usado a expressão: “ é ela também o oitavo”. Além disso, para dizer que a besta do abismo se refere aos sete  seria necessário o uso da palavra um.  Se fosse essa a intenção do Apóstolo ele teria deixado o versículo da seguinte forma:
“E a besta que era e já não é,  é um dos sete, e vai à perdição.”  (Apocalipse 17 : 11)

Voltando as sete cabeças ….Na verdade são oito reis, onde sete estão agrupados e um separado dos demais, porém seguindo uma seqüência numérica. Podemos representar isso na matemática usando a definição de subconjunto.

Considere B (1,2,3,4,5,6,7)  e C  (8) como dois conjuntos. Se os elementos de B também pertencerem a C, significa que:  B é um subconjunto de C, ou  B é a parte de C, ou B está contido em C:

conjuntos

Além da seqüência numérica , a expressão “é dos” representa coletividade de um conjunto associada a algum tipo de diferencial. Exemplo:

Ele é dos Sousa – Coletividade de um grupo de pessoas que são da mesma família.
Eles são dos carecas, mas o outro é dos carecas e barrigudo. Coletividade de carecas “N”, onde temos um diferenciado por ser barrigudo, porém mesmo grupo.

Biblicamente,  a expressão “é dos sete” se refere aos filhos de Abraão. No versículo abaixo DEUS escolheu Moises para guiar o povo:

“DISSE mais o SENHOR a Moisés: Vai, sobe daqui, tu e o povo que fizeste subir da terra do Egito, à terra que jurei a Abraão, a Isaque, e a Jacó, dizendo: À tua descendência a darei.”  (Êxodo 33 : 1)

Porém, os JUDEUS não entenderam nada o que Moisés ensinou e negara o verdadeiro cristo. Além dos JUDEUS, JESUS também foi negado pelos descendente dos Filisteus que hoje estão palestina e seguem o fundador do Islã,  Maomé (descendente de Ismael). Porém, o Islã se dividiu novamente quando surgiu o Babismo, religião criada por Báb. Hoje, os Sunitas aguardam a manifestação espiritual de Baha’u’llah para fechar o ciclo. São por esses motivos que as verdadeiras sete cabeças da besta se encaixam na revelação progressiva ( eis aqui uma besta que é realmente besta e não uma besteira):

http://estudosdafe.wordpress.com/category/04-a-revelacao-progressiva/

Anúncios