Uma conclusão sobre o dom de línguas

8. Conclusão

Não nos deixemos enganar pelo inimigo. Esta febre chamada de “dom de línguas” tem provocado a divisão de muitas igrejas. Este alegado “dom” que deveria ser uma bênção, algo para a edificação do corpo de Cristo, está na verdade enfraquecendo e dividindo as igrejas de nosso Senhor Jesus, e está levando crentes ao vício das “línguas estranhas”, e ficam de tal forma transtornados, que perdem completamente a razão, a ponto de que caso seja provado – biblicamente – o seu erro, como o foi acima, abandonam prontamente a palavra de Deus em favor de uma experiência de “maior espiritualidade”, alegando que a Bíblia Sagrada está limitando o poder de Deus, e que esta experiência, este “dom”, é a verdadeira revelação de Deus aos homens, e qualquer que não a tenha experimentado não pode ser considerado como verdadeiro Cristão. Esquecem-se eles que o coração humano é traiçoeiro e perigoso, e não merece confiança:

“Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e perverso; quem o conhecerá?” (Jeremias 17:9)

Citando Iain H. Murray: “Nossa visão de Deus precisa ser controlada não pelo que vemos no mundo, mas pelo que a Bíblia nos autoriza a crer.” E como disse Erroll Hulse: “Toda experiência precisa ser subordinada à disciplina das Escrituras.”

Repetindo: todos os dons são dados por Deus para que sejam úteis ao corpo de Cristo como um todo. E qual tem sido a utilidade deste dito “dom”, além de provocar a divisão e a discórdia?

“Mas a manifestação do Espírito é dada a cada um, para o que for útil.” (I Coríntios 12:7)

Finalmente, tenhamos muito cuidado nestes tempos de apostasia, pois há muitos que tentarão nos enganar:

“Porque surgirão falsos cristos e falsos profetas, e farão tão grandes sinais e prodígios que, se possível fora, enganariam até os escolhidos. Eis que eu vo-lo tenho predito.” (Mateus 24:24-25)

E estejamos firmes, perseverando naquilo que de Cristo recebemos:

“… Se vós permanecerdes na minha palavra, verdadeiramente sereis meus discípulos; (32) E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.” (João 8:31-32)

“E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores, querendo o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para edificação do corpo de Cristo; até que todos cheguemos à unidade da fé, e ao conhecimento do Filho de Deus, a homem perfeito, à medida da estatura completa de Cristo, para que não sejamos mais meninos inconstantes, levados em roda por todo o vento de doutrina, pelo engano dos homens que com astúcia enganam fraudulosamente. Antes, seguindo a verdade em amor, cresçamos em tudo naquele que é a cabeça, Cristo, do qual todo o corpo, bem ajustado, e ligado pelo auxílio de todas as juntas, segundo a justa operação de cada parte, faz o aumento do corpo, para sua edificação em amor.” (Efésios 4:11-16)

A.4. É a glossolalia a Língua dos Anjos?

Alguns têm afirmado que a atual glossolalia é a língua dos anjos. A glossolalia é um falar em êxtase, composto de 10 ou 20 vocábulos combinados de 20 ou 30 formas distintas. Na verdade a glossolalia não passa de uma série de sílabas desconexas, colocadas ao acaso, sem a formação de estruturas lingüísticas definidas. E isto a desqualifica primeiramente como uma língua, já que não tem nenhuma das estruturas necessárias para ser assim considerada, e deste modo, isto também a desqualifica como sendo uma das línguas dos anjos.

Devemos estar cientes de que os lingüistas são capazes de observar em uma comunicação falada estruturas como substantivos, expressões adverbiais, pronomes, adjetivos, conjunções, preposições, etc. Assim, se as pessoas que alegam falar a língua dos anjos estivessem de fato falando uma língua poderíamos reconhecê-la como sendo uma língua verdadeira e real, ainda que celestial, o que definitivamente não acontece.

O estudo  completo encontra-se em:

http://solascriptura-tt.org/Seitas/Pentecostalismo/FalarEmLinguasHoje-WCampelo.htm

Observação sobre o vídeo usado: Embora o adventismo cometa uma série de heresias, entre ela o culto ao sábado e a leitura do Apocalipse de forma errada, em casos muitos raros apresentam estudos que estão de acordo com as escrituras.