Bento XVI indica Ângelo Scola para falso profeta

Resumo da notícia:  “…Papa Ratzinger indica Angelo Scola como seu sucessor –(…)A fundação e a revista Oasis, desejadas por Scola em Veneza, são há anos o instrumento muito eficaz dessa linha ideológico-pastoral de fôlego “global” mas de evidentes implicações europeias, dada a presença do islã como segunda religião (em expansão demográfica galopante) em todas as grandes metrópoles do velho continente. Só em uma ótica “mesquinha” se pode pensar que, com a investidura de Scola, seguidor do Pe. Giussani, Ratzinger paga a dívida de gratidão para com o Comunhão e Libertação, lobby de reboque da sua eleição.(…) Na realidade, Ratzinger vê em Scola o sucessor capaz de continuar com mais coerência e sucesso do que os outros papáveis o desafio obscurantista da revanche de Deus, sobre as luzes que caracterizam o seu pontificado: intransigência dogmática, “fronte integralista” com o islã, presença decisiva da fé católica na legislação civil, imparcialidade no confronto público com o ateísmo, acompanhados por uma afabilidade pastoral superior à sua…”

Comentário: Ora, qual a serventia daquela encenação do Vaticano em escolher o próximo Papa usando a famosa  fumaça  preta? A verdade é que por volta do ano de 1929, o mestre da globalização Abdu’l’Bahá (Filho do Cristo Cósmico Baha’u’llah) traçou o perfil do Papa ideal para o reinado do seu pai. O futuro Falso profeta precisa criar uma ponte entre o cristianismo e o islã, tal como o Papa Silvestre II fez.

Inclinando o seu coração para o reino de Abhá, Ângelo Scola tem se esforçado na criação desse diálogo ecumênico com o islã através do projeto Oasis.

Além disso, Scola também usa um outro brasão que tem um animal semelhante a um leão alado. Esse tipo de esoterismo representa que se ele for realmente agraciado com o cargo de falso profeta por Baha’u’llah, o seu reinado será feroz e rápido. Abaixo temos o perfil do futuro Petrus Romano:

“…Estudante brilhante, obteve o doutorado em Filosofia pela Universidade Católica de Milão, e em Teologia pela Universidade de Friburgo (Suíça), onde também deu aulas. Nomeado por João Paulo II reitor da Universidade Lateranense em 1995, é reconhecido por ter elevado o status acadêmico da instituição durante os seis anos em que ocupou o cargo…”

http://english.angeloscola.it/tag/islam/

http://www.ihu.unisinos.br

http://padretelmofigueiredo.blogspot.com/2011/07/uma-fe-certa-abre-para-o-dialogo-com.html