Rifa da maconha mostra o número “sagrado” da diversidade

“Porque haverá homens amantes de si mesmos, avarentos, presunçosos, soberbos, blasfemos, desobedientes a pais e mães, ingratos, profanos,”  (II Timóteo 3 : 2)

Aos poucos, a sociedade vai se preparando para receber o cristo cósmico Baha’u’llah e o seu número unificador, o nove. Uma das características da diversidade da Nova Ordem Mundial de Baha’u’llah é dividir a sociedade em vários seguimentos. Crackeiros, maconheiros, gays e tudo quanto é tipo de movimento nocivo aos princípios cristãos devem ser vistos como parte de um todo.

É aqui que entra o nove, numero sagrado de Baha’u’llah para ser adorado , como nesse site que apóia a legalização da maconha. Lá está ele do lado direito na frente de uma geladeira esperando o momento certo para aquecer os corações de todos aqueles que seguem o cristo cósmico, onde o baseado serve de ponte para comunicação com o além:

O vale do conhecimento – “…Seus olhos interiores abrir-se-ão e ele conversará secretamente com seu Bem-Amado; deixará abertos os portais…” (Sete Vales Baha’u’llah)

http://www.growroom.net/rifa