Programa da Globo “Esquenta” a diversidade religiosa

Resumo do vídeo: Uma apresentadora com uma falsa  simpatia apresenta a diversidade religiosa na rede globo. A sua fama fabricada pela mídia iluminista   consegue atrair em um só palco católicos, supostos protestantes, umbandistas e tudo quanto é religião esotérica em nome do bem comum:  a diversidade religiosa.

Uma suposta pastora evangélica entra em cena emocionada por ter sido convidada para o o tal programa. A fama de  ver, tocar, olhar e ouvir Regina Casé (Sim! Uma famosa)   fica acima do evangelho nesse momento.

A tal apresentadora é conhecida no conceito de globlização como líder moral, pessoa responsável para manipular as massas populares ao abismo do inferno dessa unidade. As três características fundamentais de um líder moral são:

1- Conhecimento básico do mundo em que vive;

2- Visão (utopia) clara do mundo que deseja alcançar;

3- Compromisso pessoal de trabalhar para tornar realidade este mundo ideal.

A criatura e os produtores desse lixo ecumênico preenchem todos os itens acima, mas a origem desse programa está na agenda da diversidade religiosa da ONU.

Em dezembro de 2011, o mensageiro da paz global, o feiticeiro Paulo Coelho, muito ligado à rede Globo, sugeriu na ONU o uso da mídia para a divulgação da diversidade religiosa travestida de direitos humanos, pois o destaque foi para a religião da umbanda. O resultado foi esse absurdo que passou na TV.

O único fator que une tantas religiões diferentes é que seguem o mesmo cristo cósmico, pois  Baha’u’llah está presente em todas as religiões através das suas leis descritas no  Kitáb-i-aqdas (símbolo do Apocalipse 5) , que são obedecidas à risca por todos nesse programa, nesse caso a seguinte lei foi executada no mundo espiritual (não esqueça de substituir a palavra DEUS por Baha’u’llah):

“K-144. Convivei com todas as religiões em amizade e concórdia para que se inale de vós a doce fragrância de Deus…”

E assim o peregrino entra no vale da unidade contemplando de forma antecipada o estado de espírito da ordem mundial de Baha’u’llah.

Vale da unidade “…Ele contempla todas as coisas com a vista da unicidade(…) e as luzes da singularidade refletirem-se sobre toda a criação…” (Sete Vales – Baha’u’llah).

O olhar da unicidade pode ser vista nessa deplorável cena. A tal pastora rodopia como uma pomba-gira para homenagear os umbandistas e a apresentadora retribui fazendo uma dança de terreiro.

E assim, Baha’u’llah, através das mais diversas técnicas, congrega a si todos os povos:

“Tanto mais que, por ser dado ao vinho é desleal; homem soberbo que não permanecerá; que alarga como o inferno a sua alma; e é como a morte que não se farta, e ajunta a si todas as nações, e congrega a si todos os povos.”  (Habacuque 2 : 5)