Banda de Rock Slipknot presta culto ao deus estrela renfã

No dia 25 de janeiro de 2011 o festival Rock in Rio receberá uma das bandas mais bizzaras do Rock que prestam culto ao deus estrela renfã, o Slipknot.

Já se foi o  tempo em que o tradicional pentagrama de Baphomet era o símbolo oficial do Rock satânico. Agora bandas (se é que pode chamar assim) como o Slipknot adotaram a estrela de nove pontas (ver símbolo do Apocalipse 13) , símbolo que se transformará, segundo a ordem mundial de Baha’u’llah, na nova economia mundial.

Um artefato mágico quando usado, ainda mais por pessoas bizarras como os componentes dessa banda, representa a submissão espiritual  de quem o usa. Por isso, é uma mentira dizer que isso não tem nada a ver com satanismo.

A banda é formada por nove pessoas e são numeradas do zero ao oito, são eles: #0 – Sid Wilson – DJ; #1 – Joey Jordison – bateria; #2 – Paul Gray – Baixo; #3 – Chris Fehn – Percussão e Vocal de apoio; #4 – James Root – Guitarra; #5 – Craig Jones – Sampler e Teclado (música); #6 – Shawn Crahan – Percussão e Vocal de apoio; #7 – Mick Thomson – Guitarra; #8 – Corey Taylor – Vocal

A numeração de 0 a 8 representa a tabela cabalística do  sistema Caldeu, pois o número 9 é reservado para o nome do cristo cósmico Baha’u’llah, um nome tão sagrado no ocultismo que os esotéricos preferem nem pronunciar, outras pessoas que não possuem compromisso com o verdadeiro DEUS e o Senhor JESUS ocultam esse nome em troca de riquezas materiais.

Para o leitor que ainda não conhece, a estrela de nove pontas, além de ser o símbolo de Baha’u’llah, é a variação final da forma do deus estrela-renfa. Ela representa a junção de todas as outras estrelas usadas no ocultismo como o pentagrama e a estrela de Davi. Abaixo temos a estrela de nove pontas da banda. Observe que em qualquer lugar que somamos os números teremos o 9.

Todos os componentes da banda usam máscaras que são um “espetáculo”  a parte. A banda parece que saiu dos antigos filmes de terror como: sexta-feira treze, o massacre da serra elétrica e o Silêncio dos inocentes.  O ápice do ridículo vai para o baterista. Ele gosta de usar uma coroa de espinhos na cabeça para escarnecer a imagem do verdadeiro Cristo.

Quando analisamos dois dos  maiores hits  da banda entendemos o motivo das máscaras. As letras são simplesmente ridículas:

Na  “canção”  abaixo que recebeu o nome de 742617000027, a mesma frase é repetida  21 vezes : “The whole thing I think is (sic) /Eu acho que todas as coisas estão doentes”

Somando todos os números temos 36 (3+6=9).  A música tem duração de 36 segundos. Através dessa pequena frase, a banda tenta incentivar para que os jovens continuem promovendo bagunça e rebeldia durante a ordem mundial de Baha’u’llah  e illuminati. E assim, cumprindo a profecia abaixo:

“Sem afeto natural, irreconciliáveis, caluniadores, incontinentes, cruéis, sem amor para com os bons,”  (II Timóteo 3 : 3)

Depois desse ‘grande sucesso”, abanda criou a música chamada  “742617e+11” Somando os números temos o (27 = 2+7=9 ) e o 11. Isso representa a  visão da banda sobre a ordem mundial de Baha’u’llah e da Ordem Mundial illuminati. A letra é a mesma coisa que a outra e  se repete 21 vezes, existe apenas a inclusão de um palavrão :

“The whole thing I think is sick//The whole thing I think is shit”

“Acho que a coisa toda está doente///Toda a coisa que eu acho é uma m….”

Conclusão: Somente pelo poder do prometido que uma banda tão ruim pode fazer sucesso ocultando o seu nome e ainda receber  o patrocínio de empresas como:  Volkswagen, Trident, Claro, Heineken e Coca-Cola para tocar no Rio de Janeiro.; e o pior…receber o seu cachê vindo do dinheiro dos contribuintes, pois a prefeitura, o governo do Rio de Janeiro e o Ministério da  Cultura também apóiam esse evento.

http://www.rockinrio.com.br/confira-todas-atracoes-confirmadas/

http://www.slipknotbr.com/antiga.php?sk=slipknot/integrantes

http://www.slipknotbr.com/antiga.php?sk=misc/simbolismo

About these ads
Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 217 outros seguidores